Olá, seja bem-vindo.
Este blog foi criado no dia 21 de Janeiro de 2010. Será um blog em que apenas publicarei sonetos, nada mais do que sonetos. Espero que os apreciadores deste estilo de poesia me visitem e comentem, façam críticas, para eu melhorar o que tiver de ser melhorado e me alegrar com o que estiver bem feito. Obrigada. FELIPA MONTEVERDE

domingo, 24 de janeiro de 2010

Ó minhas mãos

Ó minhas mãos tão frias, quem
Vos enregelou nessa redoma breve
Que envolveu o meu silêncio no Além
E que calou no meu peito a dor mais leve?

Quem vos fadou destinos de ninguém
Quem vos largou em sombras de alva neve?
Ó minhas mãos tão frias, quem
Não vos paga o tanto amor que já vos deve?

Frias, brancas, esmaecidas… sim
Vós sois o fiel retrato de mim
Que assim me dou e ninguém me acarinha

Mãos tão frias… mas tenho a alma quente
E sinto amor e dor por toda a gente
E sinto-me tão só… gelada… pobrezinha…

(Felipa Monteverde)

sábado, 23 de janeiro de 2010

As rosas

A rosa que me deste, amor, picou-me
Tantos eram os espinhos que ela tinha
Era uma bonita rosa e era minha
Mas com tantos espinhos magoou-me.

A rosa que me deste, amor, picou-me
Feriu meu coração e a alma minha
Tantos eram os espinhos que ela tinha
Que essa rosa… tão bonita… magoou-me.

Amor, tira os espinhos às rosas
Para que não firam o meu coração…
Apesar de serem flores tão formosas

Magoam a minha alma de paixão
Provocando penas dolorosas...
Como agudos gumes da traição…

(Felipa Monteverde)

Os rios correm para o mar

Os rios correm para o mar
As águas das marés enchem os rios
É simplesmente um receber e dar
É dar e receber sem falsos brios.

Também eu te entrego beijos sem cessar
Mas os teus lábios para mim são frios
Recebes sem quereres também dar
E o que me dás são gestos fugidios…

Ávida de sentidos e desejo
E és afinal apenas sonho meu
Um sonho que dormi sem acordar

E eu continuo a dar-me em cada beijo
Sem receber em troca um gesto teu
Que me faça ser feliz só por te amar…

(Felipa Monteverde)

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Sonho lindo

Esta noite eu tive um sonho lindo
Um sonho de amor e amizade
Era sonho ansiado e tinha vindo
De outro sonho e de outra realidade.

E na alegria deste sonho, findo
Com o nascer do dia e a claridade
Eu hoje ando a cantar e rindo
Na minha ânsia de sonhar verdade.

Sonhei um sonho, um sonho bom e belo
Um sonho que seria bom vivê-lo
Porque a realidade é dura e crua...

E guardo esse sonho, não o quero esquecer
Nunca será real, nunca o irei viver
Mas foi tão bom sonhar que eu era tua...

(Felipa Monteverde)

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

O que sente quem ama

O que sente o peito de quem ama
Quando vê o rosto bem amado
Quando ouve o som tão desejado
Sua voz, que suave nos chama?

O que sente o peito de quem ama
Ao olhar essa face adorada
E beijá-la, na ânsia sonhada
Beijos tais que penetram na alma?

O que sente quem ama assim
Com loucura e ternura e paixão
É o céu, é inferno, é um penar sem fim

Na loucura voraz que nos rouba a razão.
O que sente quem ama assim
Só seu peito o sabe, só o seu coração…

(Felipa Monteverde)

Hoje fui ao mar

Hoje fui ao mar para ver se te via…
Com pena, no mar não te pude encontrar
E esperei tanto, na maré vazia
Cansei os meus olhos, cansei meu olhar.

Hoje fui ao mar para ver se te via
Para o mar olhei e no mar não te vi
E tanto esperei, durante todo o dia
Que meus olhos, cansados, fugiram dali.

Hoje fui ao mar para ver se te via
E do mar não gostei, pois ele me dizia
Que na imensidão de toda a sua água

Jamais eu te veria, já lá não estavas
De mim tu fugias, sozinha ficava
E espraiou-se o mar em toda a minha mágoa…

(Felipa Monteverde)